PROBIÓTICOS PODEM AFETAR O HUMOR? OBESIDADE? DEPRESSAO? ANSIEDADE?Uma nova pesquisa está a mostrar como uma dose diária de probióticos pode ajudar as pessoas a lidar com problemas leves de ansiedade e memória. Na University College, Cork, um estudo de homens saudáveis que tomaram um probiótico por um mês relatou menos stress e ansiedade, e tiveram níveis mais baixos de cortisol, o hormônio do stress, pela manhã, do que quando tomaram um placebo. Eles também tiveram melhores resultados em testes de memória.

Para muitos, é uma verdade surpreendente e impressionante que somos mais bactérias do que corpo – o intestino sozinho contém mais de 100 triliões de bactérias de uma miríade de espécies, e desempenham um papel vital na imunidade. A maior parte da nossa microbiota intestinal veio inicialmente do canal de nascimento da nossa mãe quando viemos ao mundo, ou da pele e do ambiente ao redor, se nascêssemos de cesariana. Uma vez que estamos abertos múltiplos fatores como dieta, antibióticos, genética e stress, estes influenciam o nosso microbioma. er tambem Seis coisas que os micróbios fazem por si!

O resultado é uma infinidade de bactérias que pesam aproximadamente o mesmo que um cérebro humano. E talvez isso faça sentido, pois, embora se saiba há muito tempo que o cérebro pode influenciar o intestino, a ciência moderna está mostrando que a comunicação pode ir nos dois sentidos. Estudos recentes revelam que nossa microbiota intestinal pode estar envolvida em condições como , comportamento social, depressão e ansiedade.

Os cientistas no Japão têm usado ratos de laboratório nos últimos dez anos para monitorar os efeitos em animais livres de bactérias criados em ambiente estéril e animais normais com micróbios. Os ratos sem germes tinham maiores quantidades de hormônios relacionados ao stress, e mostraram diferenças numa proteína que afeta a sobrevivência, o crescimento e a conexão das células cerebrais. Num dos estudos mais surpreendentes, uma equipa de investigadores transferiu micróbios intestinais de uma linhagem ansiosa de ratos para um rato sem germes de uma cepa mais aventureira – e vice-versa. O resultado? Um transplante de comportamento.

Ainda existem poucos estudos com humanos, mas mais estão em preparação. O quão grande a influência dos micróbios sobre o nosso humor ainda tem de ser determinada, mas o professor John Cryan, da Universidade de Cork, acha que nos podemos surpreender. “Vale a pena considerar que são eles que nos comandam”, afirma.

Mais informação sobre beneficios de probióticos:

Sabia que o intestino é o ponto de contacto mais débil entre o exterior e o interior do nosso corpo?

Existem 100 triliões de micro-organismos no nosso intestino. O intestino contém 10 vezes mais bactérias do que todas as células do corpo inteiro. As bactérias intestinais ajudam a decompor os alimentos e absorvem nutrientes. Sem um equilíbrio certo de bactérias, a produção, a absorção e a digestão dos nutrientes é afetada, como tal, devemos ter cuidados especiais para evitar a sua destruição e zelar para que se mantenham de boa saúde.Principais benefícios dos probióticos:

  • Facilitam o processo digestivo, ajudando a produzir enzimas essenciais para degradar os nutrientes mais complexos, aumentando a assimilação dos mesmos;
  • Diminuem as diarreias, os gases intestinais e a obstipação;
  • Previnem as infecções causadas por fungos, leveduras e bactérias nocivas, normalizando o PH intestinal;
  • Produzem antibióticos naturais que, ao serem absorvidos pela corrente sanguínea, combatem infecções existentes em todo o corpo e não só nos intestinos;
  • Diminuem a absorção do colesterol;
  • Ajudam a remover vários tipos de toxinas, minimizando os seus efeitos nefastos;
  • Melhoram a saúde da pele;
  • Estimulam o sistema imunitário;
  • Normalizam a produção de vitamina K e vitaminas do complexo B, nomeadamente a vitamina B12, no intestino.

continuar a ler aqui

Mais informação sobre Probióticos e a ligação intestino-cérebro:

A conexão Intestino-Cerebro- como afecta a sua vida

Microbiota intestinal: como isso afeta o humor, sono e níveis de stress

Loading...